Ao observar a narrativa do movimento histórico da pessoa com deficiência, me deparei com algo interessante: dentre outras coisas, pude observar que pelo menos no Brasil, houveram fases de reconhecimento específico da deficiência voltadas para ações, às quais que imagino terem sido adotadas pelo critério da prevalência de incidência das anomalias.

Comments

Post a comment

Deixe uma resposta