O valor da informação

by

Muito se tem escrito sobre a importância da informação. Para decidir sobre qualquer coisa, precisamos de informações, preferencialmente claras e oportunas, o que, de forma alguma, é novidade.

Sun Tzu, que viveu na China na época dos Reinos Combatentes, entre 400 e 320 a.C nos ensina no clássico “A Arte da Guerra”: “Se um soberano iluminado e seu comandante obtêm a vitória sempre que entram em ação e alcançam feitos extraordinários, é porque eles detêm o conhecimento prévio e podem antever o desenrolar de uma guerra”.

Na chamada Sociedade da Informação ou do Conhecimento, mais do que nunca, a informação é vital para o processo de tomada de decisão de Estados, empresas, órgãos públicos, ONGs, instituições, partidos políticos, etc… Com a ampliação dos meios de comunicação e, conseqüentemente, democratização da informação, cerca de 80% das informações necessárias para subsidiar os processos de tomada de decisão públicos ou privados estão disponíveis.

Isso, em tese, facilita em muito a fase da coleta dos dados que serão transformados em informação. São oriundas, portanto, de fontes chamadas abertas. Paradoxalmente, há uma dificuldade em sistematizar e processar um volume significativo de dados e uma das soluções encontradas é o uso de softwares de análises qualitativas e quantitativas de dados.
As informações provenientes de dados obtidos de fontes fechadas (20%) possuem, naturalmente, um valor mais expressivo e são disponibilizadas, particularmente, pela rede de contatos dos coletores de informação, dos analistas e dos gestores de inteligência.
Por outro lado, não basta produzir a informação no prazo previsto. É necessário disponibilizá-la para quem tem a real necessidade de conhecê-la. Além disso, é fundamental proteger o conhecimento gerado, quando esse contiver aspectos estratégicos para a organização que o gerou.

Desta forma, a Inteligência representa uma ferramenta estratégica que permite à alta gerência melhorar sua competitividade, identificando as principais forças propulsoras e prevendo os futuros rumos do mercado. É um processo onde as informações de múltiplas fontes são coletadas, interpretadas e comunicadas a quem precisa delas para decidir.

O valor da informação

A dificuldade em sistematizar e processar um volume significativo de dados

Oferecendo apoio seguro à tomada de decisões estratégicas, a função Inteligência prevê oportunidade e ameaças, acompanha e avalia os concorrentes e orienta a implementação eficaz de novos negócios.

No setor público, permite o conhecimento e a antecipação de ações pelos agentes públicos no sentido de proteger a sociedade, antecipando-se às ameaças, e possibilitando a conquista e manutenção da vantagem estratégica perante os demais atores do ambiente.

Usada com sabedoria, a Inteligência pode ser vista como uma ferramenta de apoio ao processo decisório, oferecendo uma reflexão organizacional pró-ativa, oportuna e focada no futuro, que pode definir o sucesso ou fracasso de uma organização ou da sociedade.

Mario Andreuzza é presidente do Instituto SAGRES Política e Gestão Estratégica Aplicadas

SAGRES participa do lançamento do Observatório Social de Porto Alegre

by

observatorio01.jpg

A equipe do Instituto Sagres no Rio Grande do Sul participou do lançamento oficial do Observatório Social de Porto Alegre, no dia 16 de dezembro na Capital gaúcha.

O presidente do Instituto, Mário Andreuzza, integra o Conselho Consultivo da Instituição que iniciará suas atividades em fevereiro de 2015 e que tem como principal objetivo avaliar os processos licitatórios da Prefeitura Municipal de Porto Alegre. Um dos nossos associados, o Sr. Alvaro Ártico, participará como voluntário da gestão do Observatório até a contratação de um profissional exclusivo para desempenhar essa função.

A partir do próximo ano, técnicos contratados pelos mantenedores do Observatório acompanharão de perto desde o lançamento de licitações municipais até a redação do contrato final, evitando assim possíveis erros e desperdício de verba.

O presidente da Sescon-RS, também presidente do Observatório Social de Porto Alegre, Diogo Chamun, destaca que a maioria das cidades que contam com o auxílio de observatórios sociais – são 80 espalhados por todo o Brasil – consideram a entidade uma aliada. Os apontamentos de situações irregulares são encaminhados à prefeitura. Caso o órgão se negue a realizar a correção, a iniciativa procura instâncias superiores para avaliar a situação.

A Cerimônia de fundação foi realizada no auditório do CRCRS. Com o recinto lotado, o coordenador do OSPOA, Pedro Gabril Kenne da Silva submeteu à apreciação da assembleia os nomes para integrarem o Conselho de Administração.

A sede física do Observatório funcionará nas instalações da Proceconta-RS, que fica na Rua Marcílio Dias, Bairro Menino Deus, em Porto Alegre – RS.

observatorio02.jpg

A Comunicação na Gestão Estratégica

by
A Comunicação na Gestão Estratégica

Módulo Básico

Introdução da comunicação no processo de gestão estratégica das organizações, apresentação conceitual do fenômeno da comunicação, onde é explicada sua importância para as pessoas diante de sua individualidade e características próprias. Noções básicas de como a comunicação deve ser diagnosticada e como pode ser trabalhada.

– Carga horária: 8 h

Módulo Intermediário

A comunicação é abordada no contexto organizacional, com a visão em apoio aos planejamentos estratégico, tático e operacional. Será explorada, ainda, a conexão com a cultura organizacional e a inteligência competitiva. Pressupõe a compreensão da comunicação social em seus componentes fundamentais explorados no Módulo Básico.

– Carga horária: 12 h

Módulo Avançado

Tem como pré-requisito os módulos básico e intermediário. Nesse módulo são analisadas questões relativas à imagem da organização, a gestão de crises, o que é notícia e como lidar com a imprensa, o papel da imprensa, media training, análise de produtos, e novas mídias.

– Carga horária: 20 h

Curso completo

Compreender e utilizar o fenômeno da comunicação, sua importância para as pessoas diante de sua individualidade e características próprias A comunicação é abordada no contexto organizacional, com a visão em apoio aos planejamentos estratégico, tático e operacional. Será explorada a conexão com a cultura organizacional e a inteligência competitiva e analisadas questões relativas à imagem da organização, a gestão de crises, o que é notícia e como lidar com a imprensa, o papel da imprensa, media training, análise de produtos, e novas mídias.

– Carga horária: 40 h