Comunicação e Inteligência na Gestão de Crises

by
Comunicação e Inteligência na Gestão de Crises

Os conhecimentos inerentes ao curso de extensão interdisciplinar nas áreas de Comunicação e de Inteligência destinam-se à gestão de crises políticas, institucionais ou empresariais, relacionadas com acusações de corrupção, de danos ao meio ambiente ou, ainda, de violações às boas práticas de cidadania ou de Direitos Humanos. Assim, o objetivo final é buscar informações e técnicas que permitam gerir adequadamente crises de imagem de autoridades, políticos ou corporações privadas. Destina-se aos profissionais da Comunicação (como jornalistas e assessores de imprensa) e de Relações Institucionais e Governamentais, como também aos profissionais das áreas de Ciência da Informação e Inteligência que buscam ampliar seus conhecimentos na área de gestão de crises.

Especificações

Carga: 40 horas com 5 módulos de 8 horas

Turmas: em princípio, mínimo de 8 integrantes. A composição das turmas ou grupos pode ser alterada conforme situações específicas das demandas de cada caso ou situação organizacional que se apresentar.

Demanda

A consolidação da Democracia no Brasil — com a combinação da autonomia do Ministério Público e a independência operacional crescente de órgãos públicos como Polícia Federal, Receita Federal, COAF e Banco Central — aliada à liberdade de expressão da imprensa, têm aumentado de modo substancial a capacidade de investigação e de punição à corrução de entes públicos e privados. Assim, nos últimos 10 anos — em especial devido à sucessão dos escândalos do Mensalão e da Operação Lava Jato — o país foi transformado em permanente cenário de crises, envolvendo autoridades do governo, políticos e, mais recentemente, empresas privadas e estatais. Em outra vertente, demandas crescentes da sociedade por questões como cidadania e meio ambiente têm provocado crises corporativas, com acusações de trabalho escravo nas indústrias, homofobia e, principalmente, desastres ambientais. Para gerir essa profusão de crises — que podem provocar estragos profundos na imagem pública das autoridades ou das empresas — não são necessários apenas advogados, mas também especializados profissionais de Comunicação, de Inteligência e de Relações Institucionais.

Conteúdo das aulas

Módulo 1: Sistema político (8 horas)

Reflexões sobre o sistema político e econômico brasileiro. A relação entre público e privado, por meio do financiamento de campanhas e a construção dos oligopólios econômicos com dinheiro público. Estudos de caso sobre crises de imagem em escândalos de corrupção, envolvendo agentes públicos e corporações privadas. A nova Carta dos Direitos Fundamentais e a ascensão dos novos atores da cidadania com suas demandas étnicas, de gênero, de boas práticas laborais e ambientais.

Módulo 2: Comunicação Institucional (8 horas)

Visão dos públicos estratégicos. O público interno e estudo dos públicos de interesse. As diferenças entre comunicação pública, institucional, governamental e corporativa. Arquitetura e estrutura organizacional dos setores ligados à Comunicação. Assessorias de comunicação, estudo de onde a comunicação não atua e novas possibilidades. Análises situacional e ambiental. A visão de futuro institucional/organizacional. Análise dos sistemas de comunicação internos das empresas, níveis alcançados, explorando pontos fortes e colaborando para minimizar vulnerabilidades.

Módulo 3: Relação com a mídia privada (8 horas)

Panorama dos grandes grupos de mídia brasileiros e a dependência econômica dos governos e dos bancos. Como influir na construção da pauta dos veículos jornalísticos e dos formadores de opinião. Anatomia dos jornalistas influentes: quem é quem entre os editores, colunistas e repórteres setorizados. Quando acionar editores, colunistas de opinião, colunistas de notas ou repórteres especializados. A redução de danos em caso de escândalos. Éticas e práticas: ou como funciona a cabeça dos jornalistas investigativos.

Módulo 4: Inteligência (8 horas)

A relação de confiança entre o sujeito-alvo o assessor de crise. Planejamento e prática de pesquisa para explicar ou justificar denúncias. A Inteligência e a investigação contra a crise. Gestão da rede de contados e das fontes de informações. O uso do off e o sigilo da fonte: éticas, práticas e violações. A relação com o Ministério Público e as técnicas de “lavagem de informação suja”. Técnicas de redução de danos por meio de técnicas de contrainformações: estudos de casos. Planejamento e gerenciamento de Crises.

Módulo 5: Persuasão e rede de contatos (8 horas)

Os modelos de persuasão. Modelos de rede de contatos. Organização da agenda e hierarquização das fontes. Abordagem de fontes de informação. Técnicas básicas de PNL e de linguagem do corpo. Técnicas básicas de vestuário, de etiqueta social e de comportamento. Técnicas de entrevista jornalística. Técnicas de entrevista de inteligência.

Resumo das qualificações dos orientadores

Homero Zanotta – Doutor em Ciências Militares pela Escola de Comando e Estado Maior do Exército, especialista em Inteligência e em gerenciamento de crises nas esferas pública e privadas. Possui MBA em Gestão Estratégica da Informação pela Fundação Getúlio Vargas (Brasília), e em Estratégia Executiva pela FGV-RJ. Atuou no Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República de 2004 a 2011, participando de grupos de gerenciamento de crises. Experiência em análise organizacional, elaboração de diagnósticos comunicacionais e desenvolvimento de planos, projetos e programas de gestão pública e privada.
Hugo Studart – Jornalista, professor universitário e executivo de Relações Governamentais. Graduado em Jornalismo pela Universidade de Brasília-UnB; especialização em Ciência Política, mestre e doutor em História Politica, também pela UnB. Como jornalista, atuou como repórter de econômico e politico nos principais veículos do país, como Jornal do Brasil, O Estado de S. Paulo e Folha de S. Paulo; como editor de Política e colunista nas revistas Veja, Manchete e Dinheiro; como Diretor e colunista da IstoÉ; além de editor-chefe da revista Desafios do Desenvolvimento, do Ipea. Foi agraciado em diversos prêmios, como o Esso e o Abril de Jornalismo, e o Prêmio Wladimir Herzog de Direitos Humanos. Experiência de 16 anos em funções executivas, com ênfase em Relações Governamentais e conteúdo jornalístico. Experiência em campanhas políticas na área de pesquisa de informações (Inteligência) e em gestão de crise. Como professor, lecionou na Fundação Casper Líbero, São Paulo, e na Universidade Católica de Brasília. É pesquisador do Núcleo de Estudos da Paz e dos Direitos Humanos da Universidade de Brasília, UnB, e professor no curso de Pós Graduação (MBA) em Relações Institucionais do Instituto Brasileiro de Mercado de Capitais – Ibmec.

Tem interesse neste Curso? Fale com o SAGRES:





O valor da informação

by

Muito se tem escrito sobre a importância da informação. Para decidir sobre qualquer coisa, precisamos de informações, preferencialmente claras e oportunas, o que, de forma alguma, é novidade.

Sun Tzu, que viveu na China na época dos Reinos Combatentes, entre 400 e 320 a.C nos ensina no clássico “A Arte da Guerra”: “Se um soberano iluminado e seu comandante obtêm a vitória sempre que entram em ação e alcançam feitos extraordinários, é porque eles detêm o conhecimento prévio e podem antever o desenrolar de uma guerra”.

Na chamada Sociedade da Informação ou do Conhecimento, mais do que nunca, a informação é vital para o processo de tomada de decisão de Estados, empresas, órgãos públicos, ONGs, instituições, partidos políticos, etc… Com a ampliação dos meios de comunicação e, conseqüentemente, democratização da informação, cerca de 80% das informações necessárias para subsidiar os processos de tomada de decisão públicos ou privados estão disponíveis.

Isso, em tese, facilita em muito a fase da coleta dos dados que serão transformados em informação. São oriundas, portanto, de fontes chamadas abertas. Paradoxalmente, há uma dificuldade em sistematizar e processar um volume significativo de dados e uma das soluções encontradas é o uso de softwares de análises qualitativas e quantitativas de dados.
As informações provenientes de dados obtidos de fontes fechadas (20%) possuem, naturalmente, um valor mais expressivo e são disponibilizadas, particularmente, pela rede de contatos dos coletores de informação, dos analistas e dos gestores de inteligência.
Por outro lado, não basta produzir a informação no prazo previsto. É necessário disponibilizá-la para quem tem a real necessidade de conhecê-la. Além disso, é fundamental proteger o conhecimento gerado, quando esse contiver aspectos estratégicos para a organização que o gerou.

Desta forma, a Inteligência representa uma ferramenta estratégica que permite à alta gerência melhorar sua competitividade, identificando as principais forças propulsoras e prevendo os futuros rumos do mercado. É um processo onde as informações de múltiplas fontes são coletadas, interpretadas e comunicadas a quem precisa delas para decidir.

O valor da informação

A dificuldade em sistematizar e processar um volume significativo de dados

Oferecendo apoio seguro à tomada de decisões estratégicas, a função Inteligência prevê oportunidade e ameaças, acompanha e avalia os concorrentes e orienta a implementação eficaz de novos negócios.

No setor público, permite o conhecimento e a antecipação de ações pelos agentes públicos no sentido de proteger a sociedade, antecipando-se às ameaças, e possibilitando a conquista e manutenção da vantagem estratégica perante os demais atores do ambiente.

Usada com sabedoria, a Inteligência pode ser vista como uma ferramenta de apoio ao processo decisório, oferecendo uma reflexão organizacional pró-ativa, oportuna e focada no futuro, que pode definir o sucesso ou fracasso de uma organização ou da sociedade.

Mario Andreuzza é presidente do Instituto SAGRES Política e Gestão Estratégica Aplicadas